Artigo ♦ Dozer, 20 anos de uma “Kick-Ass Band”

dozer

Os Dozer são, sem dúvida, uma das primeiras e mais influentes bandas Stoner suecas e têm-se manifestado senhores de longevidade invejável, ao somar, este ano, um total de 20 anos a “partir cascalho”!

Formados, em 1995 por Frederik Nordin (vocalista e guitarrista), Tommi Holappa (guitarra solo), Erik Bäckwall (bateria) e Magnus Larsson (baixo, substituido posteriormente por Johan Rockner), os Dozer depressa alertaram o Mundo para sua existência… primeiramente, com o lançamento, em 1998, de “Hawaii Cottage” e, em 2000, com a edição de “Tail Of A Comet“, o seu primeiro longa-duração.

Tail Of A Comet” surgiria como uma verdadeira “bomba”, carregada de riffs de guitarra electrizantes, linhas de baixo a latejar (mas de um controle incrível), uma bateria que sabia exactamente qual o seu lugar. Quanto ao vocal e às letras, elas eram duas doces “cerejas no topo do bolo”! (ok, ok… paramos por aqui com os elogios!). A verdade é que também a crítica da altura não teve outra hipótese senão “salivar” de satisfação auditiva, aguardando ansiosamente que se seguisse, em breve, um novo trabalho. O que aconteceria no ano seguinte!

Madre de Dios” (2001) saí com o selo da mesma editora do primeiro álbum, a Man’s Ruin, mas a qual se viria obrigada, nesse mesmo ano, a declarar falência. O lançamento do álbum ficaria, consequentemente, assombrado pela situação.
Em 2002, lançavam, pela mão da Molten Universe, o seu terceiro álbum, “Call It Conspiracy“, que deixa os fãs meio “à toa” devido a uma enorme diferença na sonoridade apresentada, em relação aos trabalhos anteriores. A banda decide, entretanto, “dar um tempo” às gravações e aos concertos, com os membros a seguirem projectos paralelos (nomeadamente um projecto chamado Greenleaf).

dozer_collage

O colectivo só voltaria a reunir-se em 2005, para acompanhar os Mastrodon numa Tour europeia! E com a proximidade entre os músicos, veio a vontade de voltar a fazer coisas em conjunto sob a assinatura “Dozer“. Não conseguiram, no entanto, evitar a saída de Bäckwall, que viria a ser substituído por Daniell Liden.

Em 2006, e com o novo alinhamento, é gravado “Through the Eyes of Heathens“, editado sob a chancela de uma também nova editora, a Small Stone Records (SSR). A banda regressa à ribalta!Dois anos depois, em 2008, segue-se “Beyond Colossal” (também com o selo SSR) e é reconfirmada da excelência musical dos Dozer!

Seguiram-se 5 anos sem um trabalho de estúdio (unicamente presentes numa colaboração com os seus compatriotas NYMF). Mas também, quem teria a coragem de reclamar a sua ausência, quando, nesta época, a maior parte dos membros da banda estavam ocupados a lançar um “Nest Of Vipers“?

Dão finalmente sinal de vida em 2013, ao constituírem uma das grandes confirmações para a edição desse ano do Desertfest London! Os fãs acharam que seria desta que viria um novo álbum mas… enganaram-se! Em vez disso, os Dozer puseram cá fora um EP chamado “Vultures” (um trabalho com 6 faixas, gravadas entre 2004 e 2005, e que terão servido para a pós-produção do álbum “Through the Eyes of Heathens“… e a banda voltou a remeter-se ao silêncio, após o lançamento!

Actualmente, não se percebeu ainda se continua activa a sua carreira, mas também não há nada que faça pensar o contrário!
A banda vai alimentando a sua legião de fãs mais fiéis com algumas partilhas esporádicas na sua página oficial do Facebook e, talvez por isso, vá continuamente aumentando a mística em torno da formação sueca!

Vão-nos contentando com “relíquias” como esta… um vídeo partilhado, durante a passada semana, pela banda…

DOZER Facebook